Manaus / Amazonas -

Translate

Arquivo do blog

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

POTENCIALIDADES GASTRONÔMICAS DOS FRUTOS DO UMARIZEIRO
O fruto do umarizeiro em sua forma in natura possui pouco valor, mas ganha importância comercial quando utilizado para preparação de brigadeiros, bolos, manteigas, biscoitos, doces, mousses, patês, pudins, sorvetes caseiros e tortas.

Por: Afonso Rabelo, Engenheiro Florestal, CBIO-INPA – rabeloafonso@gmail.com


NOMENCLATURA DA ESPÉCIE
Gênero: Poraqueiba Aubl. 
Histoire des Plantes de la Guiane Françoise 1: 123, pl. 47. 1775.
Nome científico: Poraqueiba sericea Tul. 
Annales des Sciences Naturelles; Botanique, sér. 3 11: 172. 1849.
Sinonímias: Poraqueiba acuminata Miers

CARACTERÍSTICAS BOTÂNICAS DO UMARI
Poraqueiba sericea Tul.
ÁRVORE – O umarizeiro é uma fruteira caducifólia, oleaginosa, aromática, de porte médio, podendo atingir até 15 metros de altura. O caule é cilíndrico, curto e retilíneo. O ritidoma (casca) possui superfície rugosa e coloração castanho-escura com manchas esbranquiçadas. A copa da árvore é ampla na base e estreita no ápice, porém fechada, muito ramificada e com folhagens abundantes, estampando uma conformação bastante ornamental. Existem duas variedades de umari, sendo uma com fruto de epicarpo (casca) roxo-escura e outra com coloração amarelo-alaranjada, no entanto, trata-se da mesma espécie. É uma fruteira nativa da Amazônia Ocidental, com predominância nas matas de terra firme do alto rio Negro, Solimões e rio Madeira. O umarizeiro é considerado uma fruteira rústica, precoce, muito produtiva e com potencial nutritivo, econômico e de alto valor agregado, despontando assim como uma boa opção de renda extra, sobretudo para agricultores familiares. Atualmente, é cultivado para produção de frutos em pequenas propriedades rurais, sítios e quintais (Figura 1).
 
 
Figura 1. Hábito de crescimento do umarizeiro. 

FOLHAS – São simples, pecioladas, inteiras e com superfíces glabras na face superior, entretanto possui consistência membranácea, porém firme e com disposições alternas nos ramos. O pecíolo é longo, cilíndrico e côncavo na superfície superior. As folhas do umarizeiro possuem coloração verde-escura na superfície superior e verde-oliva na face inferior. A lâmina foliar possui forma elíptica-ovada, ápice acuminado e base arredondada, porém com nervura central e secundárias proeminentes na face inferior (Figura 2).
 
 Figura 2. (A) folhas com disposições alternas no ramo, (B) detalhe da superfície superior da folha, (C) superfície inferior da folha com nervura central e paralelas proeminentes.

INFLORESCÊNCIAS – São formadas nas axilas das folhas dos ramos finos, no entanto possuem formas paniculadas com coloração amarelo-clara na antese. As flores são bissexuais (hermafroditas), pequenas e quase imperceptíveis, conferindo-lhes, antese matutina, cálice com cinco sépalas soldadas na base de coloração branco-esverdeada, corola com cinco pétalas livres com coloração amarelo-clara na antese e cinco estames (Figura 6).
 Figura 3. (A) inflorescências, botões florais e flores na antese e (B) detalhe da flor na antese.

FRUTOS – São drupas aromáticas com forma ovoide ou oblonga, medindo 5,01 a 8,44cm de comprimento por 4,08 a 6,5cm de diâmetro e pesando em média 92,7 gramas, com menor e maior fruto pesando 47 e 138 gramas respectivamente. Quando colhidos embaixo da árvore logo após a queda espontânea, os frutos do umarizeiro encontram-se semi maduros, por esse motivo são resistentes ao manuseio e transporte, no entanto são muitos frágeis e perecíveis após o amadurecimento completo. Quanto à comercialização, pode ser encontrado em feiras que comercializam produtos regionais e em margens de estradas nas zonas rurais, notadamente nos meses de dezembro, janeiro e fevereiro. O epicarpo (casca) possui superfície lisa, textura muito fina e consistência fraca, no entanto, de acordo com as variedades possui coloração roxo-escuro-brilhante e amarelo-esverdeada a amarelo-laranja quando maduros. O mesocarpo (polpa) com rendimento de 27,72% em relação ao total do fruto possui coloração amarela a laranja-escura, consistência pastosa e textura oleosa, no entanto apresenta sabor marcante e agradável (Figura 4). Contudo, é considerado um alimento nutritivo e energético por encerrar importantes quantidades de carboidratos, lipídeos, proteínas, carotenos, fibras alimentares e potássio. O consumo é basicamente na forma in natura, entretanto o mesocarpo (polpa) pode ser retirado e utilizado nas preparações de biscoitos, bolos, brigadeiros, doces, manteigas, mousses, patês, pudins, sorvetes caseiros e tortas (Figura 5), ou pode ser armazenado em freezers para posterior utilização. O óleo extraído do mesocarpo (polpa) possui potencial produção de cosméticos.  
 Figura 4. (A) detalhes dos frutos e (B) frutos inteiros e descerrados nas formas longitudinais e transversais.

Figura 5. Iguarias produzidas com o mesocarpo (polpa) do umari.

SEMENTES – Possuem formas ovoides, medindo 4,58 a 5,94cm de comprimento por 3,25 a 4,55cm de largura por 3,01 a 4,07cm de altura e pesando em média 34,25 gramas. Entretanto, as sementes são constituídas por endocarpo com superfície lisa, às vezes irregular, coloração marrom-clara, textura sólida, porém fina e consistência lenhosa, por tegumento com coloração castanho-claro, textura fina e consistência fraca e por endosperma abundante de coloração branca e textura sólida, sendo rico em amido, por essa razão, pode ser utilizado na preparação de alimentos ou consumido depois de assado (Figura 6).

Figura 6. Semente inteira e descerrada do umari.

Nenhum comentário:

Postar um comentário